Café: Após estabilidade, Bolsa de Nova York inicia sessão desta 4ª feira com leve alta

Às 09h33 (horário de Brasília), o vencimento março/19 operava com alta de 30 pontos, cotado a 102,90 cents/lb

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam com leve alta nesta manhã de quarta-feira (30). O mercado do grão busca acomodação depois de fechar a sessão anterior próximo da estabilidade. O dia também será de atenção ao câmbio.

Às 09h33 (horário de Brasília), o vencimento março/19 operava com alta de 30 pontos, cotado a 102,90 cents/lb. Já o maio/ registrava avanço de 30 pontos, a 106,05 cents/lb e o julho/19 anotava 108,65 cents/lb com avanço de 10 pontos.

No Brasil, no último fechamento, o tipo 6 duro era negociado a R$ 415,00 a saca de 60 kg em Guaxupé (MG), em Espírito Santo do Pinhal (SP), a saca do tipo estava em R$ 400,00 e em Poços de Caldas (MG) estavam valendo R$ 400,00.

Veja como fechou o mercado na terça-feira:

Café: Bolsa de Nova York encerra sessão desta 3ª feira próxima da estabilidade

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta terça-feira (29) próximos da estabilidade, com baixa de 5 pontos em alguns vencimentos. O mercado seguiu a trajetória da véspera com realização de lucros.

O vencimento março/19 encerrou o dia a 102,60 cents/lb e queda de 5 pontos e o maio/19 registrou 105,75 cents/lb e recuo de 5 pontos. O julho/19 anotou 108,55 cents/lb – estável e o setembro/19 teve 111,30 cents/lb e 5 pontos de desvalorização.

Depois de três sessões seguidas de alta e de acumular avanço de 1,33% na semana passada, trabalhando acima de US$ 1,05 por libra-peso no referência, o mercado realizou lucros na véspera e caiu mais de 400 pontos. Segundo agências, esse movimento teve sequência nesta terça.

Em parte do dia, as oscilações cambiais também chegaram a impactar o mercado, mas o dólar teve queda de 1,14%, a R$ 3,7225 na venda, com operadores citando entrada de recursos e atenção para a reunião do Federal Reserve e negociações entre China e Estados Unidos.

O mercado do arábica chegou a trabalhar dos dois lados da tabela durante o dia. As oscilações do dólar em relação ao real impactam diretamente nas exportações da commodity, já que as transações são feitas na moeda estrangeira.

Do lado fundamental, operadores também tem acompanhado, em menor intensidade, as informações sobre as recentes chuvas em áreas produtoras de café no país de que elas seriam insuficientes para aliviar a seca e elevar a produtividade das lavouras.

“O Brasil teve um grande ano de produção, mas a próxima safra deve ser menor, pois é de bienalidade negativa. Os relatos são de produção atual entre 62 ou 63 milhões de sacas e de cerca de 52 milhões no ano que vem”, disse o vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

Mercado interno

Seguindo as curtas oscilações no exterior, os preços nas praças de comercialização do Brasil também tiveram poucas oscilações nesta terça-feira. O ritmo de negócios segue lento no país justamente por conta dessa fragilidade, que não atraem os produtores.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 442,00 – estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com queda de 0,91% e saca a R$ 436,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Varginha (MG) (estável) e Franca (SP) (+1,20%), ambas com saca a R$ 420,00. A maior oscilação no dia ocorreu na praça paulista.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 – estável. A maior oscilação no dia ocorreu na Média Rio Grande do Sul com queda de 2,38% e saca a R$ 410,00.

Na segunda-feira (28), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 413,73 e queda de 1,15%.

Fonte: Portal do Agronegócio

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here